As Regras de Moscovo

Voltei à companhia do Gabriel Allon e das suas desventuras para salvar o mundo. Um mundo encarado do ponto de vista ocidental, o único que merece ser salvo. A escrita deste thriller é eficaz, conhecendo o Daniel Silva todos os truques para assegurar uma boa narrativa, plena de interesse e de suspense. Os efeitos visuais, o sentido de humor e as personagens bem conseguidas, onde coexistem mais do que uma mulher dignas de registo, prendem o leitor, superando largamente o apetite literário próprio da modorra de Verão à beira-mar.

Deixo-vos a linha de entrada de uma dessas heroínas: Receio estar a sentir um cigarro aproximar-se – disse ela. – Quer-me acompanhar?

Ou a palete curta e o traço breve desta evocação do pai de Gabriel Allon:

Gabriel só podia imaginar como seria ser filho de um grande homem. O seu pai tinha sido morto na Guerra do Seis Dias e as recordações que Gabriel tinha dele eram, na melhor das hipóteses, apenas fragmentadas: uns olhos castanhos inteligentes, uma voz agradável que nunca subia de tom por estar zangada, umas mãos fortes que nunca lhe batiam.

19 de Agosto de 2010
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Livros com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s