A Queda de Albert Camus

Um encontro casual entre dois franceses num bar em Amsterdão desencadeia um monólogo em forma de diálogo iludido. Intuímos o que outro diz, pensa ou reage, sem lhe escutarmos a sua voz ou dele termos uma descrição. O domínio da narrativa que, na primeira pessoa, pertence a Jean-Baptiste Clemence, o juiz penitente, leva-nos num passeio pelo seu mundo e pela expiação das suas culpas.

Ele que se proclama: “Eu sou o fim e o começo, anuncio a lei.”

Ler mais no PNet
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Livros, PNet Literatura com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s