Marginal, de Cristina Carvalho

Este livro da Cristina Carvalho abre com um aviso. “A revolução, não fui eu que a fiz. Nem fui eu que inventei a palavra-senha, nem fui eu que a atirei ao ar.” É importante fazer essa ressalva, mesmo que seja em tom casual. Sempre que uma mulher se liberta existe uma revolução, mas esta, a do 25 de Abril, foi apenas uma coincidência no tempo ou talvez não.

Este é um universo feminino. Uma certa maldade é de se esperar.

Ler o texto integral no PNet
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Livros, PNet Literatura com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s