Teatro Aberto – Constelações

constelacoes_2Num universo em que tudo tende para a simetria, o tempo corre de forma assimétrica, do passado para o futuro. E se existisse um universo paralelo ao nosso? Em que o vetor do tempo fosse simétrico e apontasse do futuro para o passado? Esses dois universos cruzam-se nas nossas vidas no único momento em que coincidem: o do nosso nascimento e o da nossa morte. O fim de todo o tempo, o instante em que, nas nossas vidas, os dois vetores se anulam.
Vivemos ou ensaiamos diversas possibilidades num permanente jogo de simetrias?

constelacoes_1Esta peça de João Lourenço, em cena no Teatro Aberto, está muito bem montada e as interpretações são excelentes. O timing das repetições e o uso do espaço cénico ajuda a reforçar a ideia de mundos paralelos, simétricos ou em oposição. Existe o livre arbítrio se a estatística o nega?

Sinopse:
Um homem e uma mulher conhecem-se, apaixonam-se, vivem juntos, separam-se, reencontram-se, reconciliam-se, ou talvez não. Talvez tudo seja, possa ter sido ou venha a ser diferente, conforme as circunstâncias com que se deparam e as escolhas que fazem ou deixam de fazer. Nos múltiplos universos paralelos em que estão, há múltiplas variantes da sua história de amor: talvez nunca mais se voltem a ver ou talvez fiquem juntos até que a morte os separe.

Seguindo uma tese da física teórica, segundo a qual há mais do que três dimensões do espaço e uma dimensão do tempo, Constelações mostra-nos um multiverso onde a vida assume uma miríade de formas em simultâneo e todos os futuros são possíveis. Mas será que aquilo que acontece depende das nossas decisões? Será que depende do acaso? Ou de algo mais que não se vê e não se conhece? 

–//–

CONSTELAÇÕES,  de Nick Payne 

Ficha técnica:

Versão   João Lourenço | Vera San Payo de Lemos

Dramaturgia   Vera San Payo de Lemos

Encenação   João Lourenço

Cenário  António Casimiro | João Lourenço

Figurinos  Dino Alves

Luz   Alberto Carvalho | João Lourenço | Marcos Verdades

Vídeo  Luís Soares

Dança a Par  João Fanha | Raquel Santos

Com:

Joana Brandão   |   Pedro Laginha

Teatro Aberto

Advertisements
Esta entrada foi publicada em apontamento, Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s