Antídoto

Para muitos a vida não é mais do que um prenúncio de morte, é o lugar onde nada parece dar certo, local de todos os receios, de todas as negações e de todas as entregas impossíveis. É o preço a pagar “por caminhares sobre a terra onde, um dia, entrarás para sempre”.

A vida é um veneno para o qual não existe antídoto.

Este é um dos mais belos livros que li, vai ficar definitivamente à minha cabeceira, como um vício do qual não nos conseguimos desprender, para o qual não encontramos cura, para o qual não existe antídoto.

“Uma brisa ergue-se do interior da terra e chega a mim, à consciência de mim: o meu rosto, os meus lábios, o meu corpo tocado por essa brisa.”

Somos todo esse medo, esse tempo que se esvai.

“A luz escurece e essa é a cor do tempo a passar”.

21 de Maio de 2011
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Livros com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s