Gabriel de Amélia Vieira

Tal como os Patriarcas falavam directamente com o indizível, o poeta possui o dom de religar e a consciência da sua própria natureza, o que lhe impede de se remeter a um divertimento linguístico. O seu dizer não é lúdico, é libertador, mestre na arte da transformação. Consciência que lhe vem desde a origem do tempo, onde todo o anúncio começou. Cabe-lhe afirmar: Impedi em cada verso o fim do mundo, não posso fazer mais… O anjo Gabriel é a poesia que daí emana.

ler mais aqui

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Livros, PNet Literatura com as etiquetas . ligação permanente.

Uma resposta a Gabriel de Amélia Vieira

  1. homemdebem diz:

    Bons olhos te leiam o Implume! Perdi o estado de poesia, agora sou todo prosa. Hoje recebi uma prenda de Natal: um colega ofereceu-me uma fotocópia duma pág do Desassossego onde o Doido faz uma reflexão genial acerca da prosa e da poesia. Ainda estou tão embasbacado com o texto que nem poesia, nem prosa me saem!
    Um abraço em Pessoa dum puto velhão

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s