A Desilusão de Judas nas palavras da Fátima R. Santos

1234550_517444925009789_829908931_n“Num castelo veloz, planando sobre as águas do Tejo, entreguei-me ao primeiro livro de Williams.”

O Tejo é o elemento fundador desta narrativa, é espaço de aprendizagem que une duas realidades. Uma cidade para a racionalidade e ao mesmo tempo para conjecturas de transgressões. A outra é o local de recolhimento, de conforto, o espaço para os seus e para Deus.

Numa linguagem abundante e fluida o autor vai construindo o labirinto onde a sua personagem entra sem levar pela mão o fio de Ariadne. Com mestria, o leitor é levado a avançar na leitura com a inquietação sempre presente.

À personagem principal caberá encetar uma cruzada cujo pecado implícito só será expiado pela literatura.

António Ganhão colabora, apresentando e moderando, as sessões Muito Cá de Casa, na casa da Cultura de Setúbal.
É crítico literário e escritor.

Fátima R. Santos, 10 de setembro de 2013 em Ler de Carreirinha

Anúncios
Esta entrada foi publicada em A Desilusão de Judas, Casa da Cultura de Setúbal. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s